13

23 de ago de 2012

considerações de uma passante ao acaso

de fora pra dentro:

na pracinha duas menininhas de mãos dadas namoravam as passarinhas arrulhavam os passarinhos lamentavam a má sorte.
inveja mata.

***

gatos cachorros vagabundos proliferam nas ruas dormem sob as marquises tomam banho de sol no centro do coreto e trepam entre as rodas dos carros estacionados.
eles são felizes. eu queria ser.

***

o ciclista mandou o motorista à merda o motorista fechou o ciclista no cruzamento entre a rua tal e a avenida principal o ciclista caiu o motorista descarregou seu 'tresoitão' a esmo ninguém morreu. de menos o alfredo que não tinha nada a ver com a história e estava entregando flores pruma dona de um prédio em frente.

***

passei na costureira e ela disse é pano demais pra criatura de menos mandei fazer um vestidinho com os retalhos. ser baixinha tem suas vantagens.

mariza lourenço

[imagem de wings of a messiah]

13 comentários:

A. Zarfeg disse...

Pontuais, cinematográficos e cubistas, seus textos, Mariza, dispensam a pontuação, de sorte que se impõem como um poema concreto... ou uma aldravia... (fiz algumas recentemente.)

Isso fica bem explícito no primeiro texto... em que o apelo homossexual surge, seguido de uma “moral” de que a inveja mata... Eis o maniqueísmo hetero x homo... Um prato cheio para a crítica psicanalítica... kkk

4:38 PM
Dona Sra. Urtigão disse...

uma delícia de ler.

1:17 AM
Fred Caju disse...

Fiquei com a presença de Baudelaire e seu flaneur na cabeça. Que bom, né?

8:55 AM
mariza lourenço disse...

AZ, que comentário chique. acho que eu sou um prato cheio pra qualquer psicanalista... hehehe
beijo

10:47 AM
mariza lourenço disse...

madame, essas cotidianidades me encantam.
obrigada.
beijos

10:48 AM
mariza lourenço disse...

bota bom nisso, Fred. *;)
um beijo e obrigada pela visita.

10:49 AM
SÉRGIO FANTINI disse...

uma delícia!

2:18 PM
Benno disse...

um cachorrinho não inventa tantos problemas quanto nós.
Beijo

5:09 PM
Álvaro Lins disse...

Gostei do que li:)1
Fez-me recordar uma escrita cinematográfica neo-realista!
Abraço

7:07 PM
Primeira Pessoa disse...

mariza,
eu comecei a ler e as imagens foram se fundindo a outras imagens. a do ciclista, por exemplo, esbarrou no ruffato, em eles eram muitos cavalos...
tem essa dinâmica, esse corre-corre, som de burburinho.
beijão,
r.

1:54 PM
Primeira Pessoa disse...

escrever como quem conversa.
é esse o pulo do gato.

12:16 AM
Anônimo disse...

Bom de ler e reler.
Manoel Carlos

9:44 PM
Benno disse...

uai, so, nao nos brinca mais com seus textos?

11:52 PM

seja bem-vindo, bem-vinda.

será um prazer ler e responder seu comentário, no entanto, optei por não aceitar comentários anônimos, ofensivos ou que, de alguma maneira, possam constranger aqueles que gentilmente se dispõem a me visitar.

grata,

mariza lourenço

Novo Comentário